Voltar Inema SISNEMA Informatica Sites Pessoais Busca Agenda Proxima Semana English Version
Menu INEMA
.
Evento
9695
.
Incluir na PP
 
Venezuela de Mochila 2008 - Lugares

Vicente Ribeiro, que se aventurou pela Venezuela em maio de 2008, relata suas vivências no país e dá várias informações aos que querem conhecer o local. Neste relato, ele fala sobre algumas cidades que conheceu, e de seus lugares atrativos.

Pode-se pensar da leitura até aqui, que o mais lógico é passar longe da Venezuela. Na verdade, o país é encantador, o problema é somente em relação à falta de estrutura para recepcionar os turistas.

Sobretudo, em relação às informações dos locais a visitar. Se você for do tipo aventureiro, como nós, vai estar preparando para as adversidades e para curtir as belezas naturais do lugar.

 Colônia Tovar

 

Saindo da capital, há aproximadamente 100km de serra, você se depara com uma colônia de imigrantes alemães que se instalaram na Venezuela. Chama-se Colônia Tovar, e é um lugar para botar no chinelo qualquer Gramado e Canela que temos no Brasil.

 

Lá, eles fabricam uma cerveja artesanal - cerveja Tovar - que é uma delícia. Além é claro, de poder desfrutar das maravilhosas comidas típicas alemãs. Parece que você está fora da América do Sul, já que as edificações guardam a tradicional estrutura típica alemã.

 

Vivem da cerveja (que só é vendida por lá mesmo), da produção de damasco, pêssego, morango e, sobretudo, do turismo. Você vai ter a oportunidade de escolher ficar em um dos mais variados e encantadores chalés típicos, pagando o preço de um hotel comum, não dá nem vontade de sair do local! Reserve pelo menos dois dias para desfrutar e descansar em Colônia Tovar.

 

Tucanas

 

Seguindo viagem, e descendo a serra, chega-se ao litoral mais ao norte. A pequena cidade de Tucacas, não tem estrutura para suportar a quantidade de gente que aparece para os fins de semana, feriados e férias. A cidade em si, não tem nada de atrativo, porém, é porta de saída para desfrutar de um complexo de ilhotas preservadas, denominado parque Morrocoy.

 

Os pequenos barqueiros que lá vivem, fazem um verdadeiro serviço de “taxi” que te leva para a ilha que quiser e te pega no final do dia. Contratamos um passeio que percorreu as principais ilhas do parque, com opção de ficarmos na que melhor nos agradasse.

 

Todas muito lindas, preservadas, com as águas transparentes do mar do Caribe. Mas não tivemos muita opção, já que era meio de semana e somente duas delas tinham estrutura para passar o dia. Por estrutura, leia-se um bar com comida e bebida, e locação de guarda sol e cadeiras de praia.

 

A falta de estrutura turística impede àqueles despreparados de ficarem em locais paradisíacos. Outras praias, até mais bonitas, não tinham nada e por isso não pudemos ficar, já que o barqueiro vai embora e só volta no final do dia para te pegar.

 

Outra questão de falta de estrutura, diz respeito à cerveja. Por ser parque de preservação, não é permitida a venda de bebidas alcoólicas. Não é permitido vender, mas nada impede que você leve uma térmica com suas cervejinhas geladas. Ou seja, o turista desavisado vai ter que passar à base de água e Pepsi - cola mesmo, o dia todo, diante daquele paraíso venezuelano!

 

Mérida

 

Seguimos viagem em direção a Mérida, que fica próximo à fronteira com a Colômbia. É a cidade que deveria ser a capital da Venezuela, contendo faculdades e provida de um povo mais aculturado, educado e amistoso do que o que foi encontrado em Caracas. É longe da praia, mas a atração que lá se encontra, vale cada centavo do tempo que se utiliza para passar uns dias por lá

 

O Teleférico de Mérida é o mais alto e o mais comprido do mundo. A cidade está a pouco mais de 500m acima do nível do mar. O ponto mais alto do teleférico permitido a se chegar, está a 4.765 m. Dá tontura pela falta de ar, e o frio é constante. É tão frio que, na base encontram-se várias lojas que locam agasalhos de neve para o turista.

 

Custa pouco mais de 5 Bolívares, e pode ter certeza, você não vai se arrepender de ter locado essa jaqueta! São aproximadamente 14 km de percurso distribuídos em quatro estações. Não sei como não é divulgado isso, pois a tecnologia empregada na construção, é de primeiro mundo, além de se ter o melhor ângulo para vista da cidade.

 

A cidade é limpa, bonita, de gente educada. Tem vários restaurantes, shopping, vida noturna, e sem o rigor quanto a bebida, tal qual se observa em Caracas. Outra atração que vale a pena conhecer é a sorveteria do Sr. Manoel - um português que se instalou por lá há mais de 20 anos, e cuja especialidade é fazer experiências com sabores de sorvete.

 

Ele tem atualmente, mais de 800 sabores de sorvete disponíveis. E possui certificado do Guines, livro dos recordes, dependurado nas paredes, para comprovar a eficiência do lugar. Se você tiver coragem, vai poder experimentar sorvete de alho, feijão, cerveja, pimenta, queijo, salame, só pra dizer alguns dos sabores que lá existem.

 

Tem também o sabor Brasil (sabor caipirinha), mas estava em falta. Não espere ter todos os 800 sabores à disposição. A cada dia é disponibilizado vinte sabores diferentes, além dos tradicionais, pra quem não quiser arriscar!

 

Coro

 

Voltando ao litoral, chegamos a Coro, cidade antiga, que conta com um centro histórico declarado patrimônio da Humanidade pela UNESCO. E com o Parque Nacional dos Médanos de Coro, que se encontra no istmo da península de Paraguaná. Médanos, é como são chamadas as dunas que vivem em constante deslocamento por ação dos ventos.

 

As de Coro, foram formadas há séculos, decorrente de acúmulo de areia desde o fundo do mar, formando uma verdadeira ponte natural, que liga a península ao continente. O percurso de ônibus à Península dura razoavelmente uma hora.

 

É longo, mas o que impressiona mais, é o passeio que se faz à pé mesmo, no meio das dunas pra ver o quanto a gente é insignificante diante da natureza!

 

Punto Fijo

 

Chegamos a Punto Fijo, cidade situada na costa sudoeste da península de Paraguaná. Dispõe de um porto e de refinarias de petróleo. Mas o nosso interesse por lá, foi apenas para pegar o avião que nos levaria para outra aventura mochileira, fora da Venezuela. Nosso destino agora, era Curaçao.  

Fonte: Vicente de Paulo Ribeiro
Cidade: Caracas-EX-Venezuela
Fotos: Vicente de Paulo Ribeiro
Publicado: .
Date: 01/05/2008 <%insert_data_here%>


.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.
  Evento 9695 - Venezuela de Mochila 2008

   Aqui os Albuns e Fotos



  Outras matérias relacionadas:

  05/01/08 - Venezuela de Mochila 2008 - Chegando ao País
  18/04/08 - Venezuela de Mochila 2008 - Curaçao & Margherita
  01/05/08 - Venezuela de Mochila 2008 - Curiosidades
  01/05/08 - Venezuela de Mochila 2008 - Hotéis & Informações Turísticas
  01/05/08 - Venezuela de Mochila 2008 - Lugares
  01/05/08 - Venezuela de Mochila 2008 - Câmbio de Moedas
  01/05/08 - Venezuela de Mochila 2008 - Carros
  10/06/08 - Venezuela de Mochila 2008

English Version: The specified statement did not generate any data
 
Envia Mensagem para a Fonte
Cria Matéria neste Evento
Cria Album neste Evento
  Aviso Legal
Rua Washington Luiz, 820 conj. 601
Porto Alegre/RS - BRASIL - CEP 90010-460
Telefone 55 (51) 3226-4111 - Ramal: 4000
Fax: 55 (51) 3226-1219
contato@inema.com.br
SIP:4000@sisnema.com.br
SISNEMA